#11 Entre verbos

domingo, setembro 29, 2013

       its raining outside | via Tumblr
E não são olhos verdes, é um olhar verde. Porque tem gente que tem olho azul, e não tem olhar azul. Ás vezes olhar cinza, olhar castanho, mas não azul. Tem gente que tem olhos cinzas, e tem olhar roxo. Tem gente que finge ter olhos verdes, mas continua com olhar castanho. E tem você, que olha verde. E sorri verde. E cheira a verde.

        Sabia que o cheiro de verde é doce, puro e me lembra o nascer do sol? Eu não sabia, mas você me mostrou ontem enquanto contava de maneira fajuta até dez em francês, enquanto eu te ajudava pausadamente quase perdendo todo o ar. Porque você estava perto. Digo, a cadeira estava perto, o rádio velho estava perto e tinha até uma barra de metal que estava mais perto ainda. Mas você estava praticamente inserido em mim.

        E, por favor, sem pensamentos sujos, ou olhadas desconfiadas, e sorrisos maliciosos misturados em seu rosto. Você contava até dez sem saber como, e eu ficava ali, sem saber porquê. Porque só ali? Porque só ali sem mexer nenhum músculo, olhos verdes? E doeu. Porque, coisas assim doem, certo? Mas, eu pediria que você contasse até trinta se isso significasse ouvir sua voz por mais vinte segundos. Porque, eu posso me explicar, simplesmente o som do verde é reconfortante. E parece que o sol está nascendo, e tudo está nascendo junto sem saber o porquê. É reconfortante o som, e o cheiro, e o resmungo, e o sussurro, e o gosto na minha bochecha, e o toque apressado e aquele olhar. Porque é verde. E acho que verde é a minha cor predileta agora.

       


Você também vai amar:

2 comentários

  1. nossa, esse texto foi o melhor de todos,em minha opiniao... sempre quis ter olhos verdes!

    www.karlagisella.com.br

    ResponderExcluir
  2. Belo Texto, já disse isso bastante né?

    Beijo :*

    ResponderExcluir



Subscribe