Mini-web: Cate e adam #2

domingo, dezembro 22, 2013



Library

     Cate e Adam está quase virando um vício para mim *w* eu fico pensando neles quase que o tempo todo, e sempre fico tentando ter mais e mais ideias. Além disso, os comentários de vocês me motivam muito; Obrigada Heloisa, Franciely, e Laura pelos comentários, vai ter uma pequena surpresinhas para vocês no capítulo de hoje hihi ♥ aproveitem

Capítulo II
            Sabe quando parece que a nossa cabeça não quer pensar aquilo que queremos? É exatamente assim que Cate se sente nesse momento; Ela coloca seu café sobre a mesa, ao lado do teclado do computador, mas não consegue pensar em nada. Os minutos passam, e nada. O seu chefe daqui alguns segundos entrará pela porta e verá a grande tela vazia, ainda brilhando em pixeis brancos. Cate, então, digita algumas palavras sem sentido, algumas ideias de como começar aquela reportagem. 

              Cate trabalha como jornalista de um pequeno jornal local de uma pequena cidade vazia e que não acontece muitas coisas para serem escritas. A reportagem que ela tenta tanto pensar em como começar, para se ter alguma ideia do quanto a cidade é parada, é sobre um comerciante de repolho que achou cinquenta reais no lixo e algumas jóias. Cate se segurou para não revirar os olhos quando o chefe fez o pedido; 

          Por fim, algumas linhas foram escritas e o relógio marcou seis horas da noite. Cate sorriu. Todos sorriram depois de olharem, também, para o relógio e suspiraram de alívio daquela maneira que só eles e Cate sabem como é. Cate se levanta da cadeira giratória, e pega o livro que ela encontrou ontem na livraria quando os livros caíram misteriosamente - é o que ela diz - em cima dela. O livro era realmente velho, escrito por um escritor de sobrenome Contregiani, mas faltavam alguma páginas - as mais importantes do livro, precisamente. Cate então iria para a livraria, assim que o ônibus parasse no ponto desejado.

          O pequeno sino irritante da livraria que existe desde 1930 toca quando Cate passa pela porta - exatamente a centésima vez, se Cate contasse todas as vezes que a quele sino tocou para ela; A mulher levantou os olhos, olhando por cima daqueles óculos que parecem ser grandes demais, e não sorriu. Cate se aproximou dela, e tentou ler o nome na pequena tábua em cima da mesa; Cate já esteve ali cem vezes, mas nunca parou para descobrir o nome daquele mulher. Na verdade, nunca ouviu sua voz. Mas dessa vez, Cate tinha perguntas suficientes para poder definir aquela bibliotecária. 

           - Olá Helo... Ise? - Cate tenta ler o nome, mas algo sujou as últimas letras e a tornaram difíceis de ler. Ou talvez Cate não soubesse mesmo ler, é o que eu sempre digo quando ela não pode me ouvir. 

            - Heloise. Sem a pausa. - A mulher diz, um pouco de mau humor, e ajeitando os fios grisalhos e rebeldes do cabelo que se esticaram para cima. Cate sorri.

               - Heloise, eu gostaria de devolver esse livro e pegar outro, ele falta ... - Cate diz olhando para os olhos da mulher que continua olhando por cima dos óculos. Porque afinal ela os usava então? 

                 - Meu nome não é Heloise, é Laura. - A mulher diz interrompendo a fala de Cate, e fazendo a mesma corar de surpresa. Heloise, Laura, como Cate poderia saber? E porque, diabos, a mulher corrigira a fala de Cate sobre o "Heloise."? Cate revira os olhos internamente. 

                  - Tudo bem. Laura. O livro. Falta algumas páginas. - Cate tenta dizer pausadamente para a mulher entender. E por fim, Laura ou Heloise, ninguém sabe na verdade, cada dia um nome, sorri para Cate e se levanta; Pegando o livro das mãos da garota, e guiando-a até os últimos corredores da livraria.

           Heloise vasculha as prateleiras procurando pelo segundo exemplar do livro que ela viu exatamente naquele lugar a alguns dias atrás; Ou seria esse mesmo que Cate pegou? Heloise não se lembra, mas na verdade o segundo exemplar não está mais na livraria, e se depender dela, ela vai procurar pelo segundo que acha existir o dia todo. Vamos deixar assim, ela sem saber que o que ela procura não existe. 

            Cate olha para a mulher que procura o livro, agora, dentro das gavetas de livros infantis. Cate, escolhe então, se sentar no chão, e esperar. Até que algo surge em sua cabeça. Algo que ela esteve pensando o dia todo.

               - Laura? - Cate chama, mas a mulher parece nem notar o chamado. - Heloise? - Cate tenta uma segunda vez,  a mulher para de vasculhar as gavetas e olha para Cate. - Algum Adam trabalha aqui? - Cate pergunta perplexa, lembrando dos dois pequenos bilhetes escritos em uma caligrafia bonita que estão dentro do seu exemplar de Momentos do por-do-sol.

               - Adam? - A mulher parece pensar por algum momento. - Nenhum Adam trabalha aqui desde a morte do meu marido. - Ela sussurra. - Ele se chama Adam, entende? Não gosto de pessoas desse nome. 

                Cate sente um pouco de compaixão pela mulher, e prefere se manter calada. Não, Cate - ela tenta se conformar - Fantasmas não escrevem bilhetes, é o que diz a televisão. 

                   Laura desiste de procurar pelo livro, e recomenda um outro para Cate, que aceita; Um livro, que afinal, parece ser mais interessante do que aquele que faltava páginas. Ela agradece e sai da livraria, parando na praça, para começar a ler algumas poucas páginas.

                     Uma figura vestida de preto se senta ao lado de Cate, e abre também seu livro, espiando, hora ou outra Cate pelo canto do olho.
   
                     - Oi, Adam. -ela arrisca devido o chapéu, e as roupas pretas. Mas não tem coragem suficiente de olhar para o lado e ver como ele realmente é, se é de fato, o homem da livraria de ontem. Se de fato, as pessoas que deram para ela os bilhetes são uma só.

                     - Oi, Cate. - Ele responde por fim, com a voz no mesmo ritmo que ele usou da livraria, mas sem o eco das coisas velhas que a deixava mais impactante. Cate olha para o lado, e encontra os olhos verdes que sequer piscam cravados no livro, e os cabelos escapando do chapéu. Cate percebe o sorriso dele.
   
                  - O que você está lendo? - Ela pergunta depois de tentar ler por si só o título do livro, mas não conseguindo. Ele levanta os olhos para olha-la. Viu, Cate, não era um fantasma. 

                   - Alguma coisa de alguém com sobrenome Contregiani. - Ele responde mostrando a capa do livro para ela; Era o mesmo livro que Cate estava lendo, e que faltava páginas, e que a bibliotecário passou vinte minutos procurando. O livro não estava lá, de fato. Cate sentiu algo percorrendo seu corpo; Ele viu ela pegando aquele livro ontem, e resolveu lê-lo também. Afinal, o que Adam quer dela? - Eu queria ler esse livro, só que eu não estava o encontrando na livraria, e você - ele sorri - encontrou. Mas, eu não queria pedir o seu exemplar, então acabei encontrando outro na gaveta de livros infantis.

                - você não ia querer o meu exemplar. - Cate faz uma careta que faz Adam rir baixo. - Ele faltava algumas páginas, as mais importantes, e eu não consegui terminar de ler. 

                  - Se você quiser levar o meu. - Adam fecha o livro, e coloca em cima do colo de Cate. - Eu já acabei de ler. 

                   Adam se afasta, caminhando para longe, e deixando Cate olhando apenas para suas costas e para seu corpo que se afasta com passos lentos. Quando Cate não consegue mais vê-lo, ela olha para o livro em seu colo. O terceiro bilhete que ela esperava estava depois da terceira página. Ele dizia: Me encontre na fonte da praça amanhã á meia noite, eu estarei esperando por você. Cate não sabia se poderia confiar naquelas palavras. Mas ela percorreu com os olhos o caminho que Adam tinha feito e sussurrou um pequeno "eu te amo" dentro da sua cabeça sem perceber; Ela já o amava e não sabia. Adam, ao cheiro de mofo da sua casa, sussurrou, ao mesmo tempo, um "eu te amo também." sem saber o porquê de ter colocado um "também" no final de sua frase. Ele já a amava, e não sabia os motivos.

Fim do capítulo II
               


 

Você também vai amar:

3 comentários

  1. Anw ♥ Não sei nem o que dizer :3 A mini-web está maravilhosa, estou encantada com a história e estou louca para sair o quarto capítulo, estou viciada na mini-web ... o blog está liiindo *--*. Obrigado pela surpresa!! Amo estar aqui!!

    Um grande beijo!
    Helô

    ResponderExcluir
  2. Nossa *o* amei a surpresa ... a mini-web está perfeita eu estou maravilhada com a história , estou contando as horas pra ver o quarto capitulo , o cinco e muitos e muitos outros ... o blog está lindoo ;3

    Beijiinhooos <3
    Fraan

    ResponderExcluir
  3. Fofa, nossa que surpresa! Ameei! Sua história está maravilhosa, qnd acabou o 2° capitulo, fiquei louca para saber o resto... Acredito que vá ser uma ótima escritora!


    Beijos, Yaya
    Parabéns!

    ResponderExcluir



Subscribe