Top 5 literário - 5 personagens que deveriam ser reais

sábado, outubro 31, 2015

Olá, leitores! 

Olha eu aqui de volta, como prometido!
A nossa coluna "Top 5 literário" de hoje trás 5 personagens de livros que, por algum motivo, deveriam ser reais. Eu comecei a escrever esse post com uma ideia diferente, mas aos poucos fui recordando incríveis personagens da literatura nacional e internacional, e achei que valeria à pena citá-los e explicar porque gostaria que eles existissem.

Assim como da última vez, o top 5 foi feito em ordem decrescente. Acompanhem e espero que gostem! Nos contem também: quais personagens vocês gostariam que fossem reais? 

5º lugar: Michael Moscovitz
Essa escolha é a mais simples e pelo motivo mais romântico e acho que vai ser mais compreensível para as garotas do que para a maioria dos garotos. Sei que muitos garotos leram os livros da série "O diário da princesa" e gostam, mas tenho visto poucos, até então (manifestem-se!). Eu diria que Michael precisa existir pela imagem carinhosa que é passada dele nos livros, coisa que está se perdendo no mundo hoje. Não custa nada ter alguns exemplares sobrando, não é? hahaha

"Rosas são vermelhasVioletas são azuisVocê pode não saber Mas alguém ama você."







   
4º lugar: Santiago
Do livro "O alquimista", de Paulo Coelho, Santiago é um rapaz jovem, pastor espanhol, que um dia abandonou tudo na vida para perseguir seus sonhos, ouvindo a voz do seu coração. É uma atitude um pouco radical, mas que pode ser a solução para muita gente. A principal razão para desejar que ele existisse é esse desejo de realizar seu sonho e correr atrás dele. Acho que, assim como alguns dos próximos (mais abaixo) seria um disseminador de alegria e estímulo pelo mundo. 

"Quando você quer alguma coisa, todo o universo conspira para que você realize o seu desejo."

3º lugar: O vendedor de sonhos
Quem conhece Augusto Cury conhece pelo menos um pouquinho deste personagem ou já ouviu falar dos livros. O vendedor de sonhos tem, de fato, uma vida muito radical para ser seguida por todos, pois vive na rua, livre de qualquer prisão, seja material ou emocional, mas seu grande objetivo é vender sonhos às pessoas, mostrar para elas o quanto a vida é bela e o quanto elas são fortes para superarem seus maiores problemas. Há um grande mistério sobre quem é o vendedor de sonhos e o que ele fazia antes disto, mas ao ler os livros (esses da série e outros do autor) é possível fazer algumas confabulações e criar uma história para o personagem. O que eu digo é: enquanto ele não sai dos livros, porque não podemos ser nós mesmos vendedores de sonhos? Façamos ele sair dos livros projetando pelo menos um pouquinho dos seus objetivos como sendo também nossos objetivos. Fica a dica.







2º lugar: Ed Kennedy

O garoto de "Eu sou o mensageiro", de Markus Zusak. O primeiro ato heroico no livro foi impedir um assalto. Se pararmos para pensar, é algo extremamente arriscado, por mais corajoso que seja, mas o que me fez querer que ele existisse foi o restante da história. Depois desse ato, ele passa a receber algumas cartas com endereços e nomes, sem nenhuma explicação. (Estou com os olhos em lágrimas de emoção enquanto escrevo sobre este livro). Ed acaba decidindo ir atrás destes endereços e ver o que tem acontecido por lá. Em cada um dos locais que ele vai, alguém está precisando de ajuda, com gestos simples, porém de grande significado e são esses gestos que Ed acaba fazendo e salvando a vida de inúmeras pessoas da depressão, infelicidade e até mesmo suicídio. Conseguem ver porque ele deveria existir? Ed é o que precisamos para começar a projetar um mundo melhor: humanidade. De fato, Ed passou por algumas situações ruins enquanto isso, mas toda a recompensa recebida com os agradecimentos, palavras e sorrisos de todos a quem ajudou valeram mais do que tudo. 

"A gente pode até inventar desculpas pras coisas, mas acreditar nelas, não."

1º lugar: Pollyanna
Vou explicar com muito carinho o motivo de tê-la colocado em primeiro lugar. "Pollyanna" e "Pollyana moça" estão entre os primeiros livros que li na vida e desde então levo as lições aprendidas em toda a minha trajetória. O principal fato que me faz desejar que ela fosse real é a disseminação feita por ela do "Jogo do contente". Para quem não leu, o jogo consiste em encontrar sempre um motivo para ficar contente, mesmo nos piores momentos da sua vida. Como isso começou? Quando muito jovem, ela pediu ao seu pai uma boneca de presente (de natal, se não me engano), porém, ao invés disto, ele lhe deu um par de muletas. De início, a menina, como criança inocente que é, chorou muito, mas ouviu com atenção quando seu pai lhe disse: "Você não ganhou o que queria, mas você deve ficar contente por não precisar dessas muletas." Foi com esse ensinamento que Pollyana aprendeu e passou a espalhar o jogo do contente para todos ao seu redor. Com isso, nos dois livros ela ajuda algumas pessoas a melhorarem sua visão do mundo e terem vidas mais felizes. Acho que, em geral, no mundo inteiro, estamos precisando de Pollyanas. 






É isso. Fiquei um pouco emotiva com esse post, nossa! hahaha Espero que tenham gostado e não esqueçam de contar as suas opiniões nos comentários ou mesmo de nos dar sugestões de top 5 literários para as próximas semanas!

Até a próxima semana, leitores da Maidy!
Com carinho literário,
Brenda

Você também vai amar:

10 comentários

  1. Que Top esse post. Na minha opinião o que era para ser real não era um personagem em si ( só se for a Hermione Gata) e sim uma certa escola de magia kkk. Tirando as brincadeiras, como disse acima, eu gostei do post que foi bem elaborado e pensado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu super topo, também! kkkkk
      Obrigada! *-*

      Beijos!!

      Excluir
  2. O post é bem diferente! Parabéns!
    Não conhecia nenhum livro e também os personagens!
    Parecem ser legais! Olha, além de indicar personagens você indicou livros também.
    Os dois únicos personagens que deveriam ser real para mim são: Maxon e America! rsrs
    Beijos.
    sonhardevaneios.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha Aspen eu adoraria ter pra mim. Maxon e America para eu colocar num pote e enfeitar minha estante de tão lindos! hahaha
      Obrigada!!

      Beijos!

      Excluir
  3. Amei o post, eu queria que o Ian Clarke (livro perdida) fosse real, seria tudo de bom. Aquele cara realmente não existe hahahs :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha Tantos que fariam da minha vida melhor... kkkkk

      Beijos!

      Excluir
  4. Que post surpreendente! Eu esperava personagens mais conhecidos, tive que procurar no google mais referências sobre alguns personagens citados! Adorei! E, sobre personagens que eu queria que fosse real, está no topo o Sr detetive Poirot, de Agatha Linda Christie <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poirot é muito admirado lá em casa também! *-* Agatha diva!

      hahaha Fico feliz que tenha gostado. Obrigada.
      Beijos!

      Excluir
  5. Adorei o post! Para mim os personagens que deveriam ser reais são a Aíla e o Zid do livro Sentinela, um nacional que amo muuuuuito hihihi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, esse eu não conheço. Que legal! *-* Mais um para a lista!

      Beeeijos!

      Excluir



Subscribe